Escolha uma Página
Turismo em Santa Catarina: Conjunto de Fortificações Brasileiras serão candidatas a Património Mundial

Turismo em Santa Catarina: Conjunto de Fortificações Brasileiras serão candidatas a Património Mundial

Conhecido pelas belas praias, parques nacionais, parques temáticos, rota do chopp e muitos outros atrativos, nosso Estado tem sido considerado o melhor destino turístico do Brasil. Com isso, o Turismo em Santa Catarina tem colhido bons frutos.

Agora, chegou a vez de um dos principais roteiros do nosso Estado entrar para História como Património Mundial.
Mas, antes de contar essa História, venha conhecer um pouco do Turismo em Santa Catarina.

Turismo em Santa Catarina: história, cultura e belezas naturais

Para quem ama viajar, o estado catarinense é um prato cheio! 

São vários os motivos que o tornaram um dos destinos mais escolhidos pelos turistas, mas o principal deles é a beleza natural! 

Além disso, a tradição e folclore catarinense contemplam uma farta gastronomia. Por isso, não deixe de apreciar sua culinária e as famosas cervejas.

Não vai faltar o que fazer ao conhecer o turismo em Santa Catarina!

Qual a melhor época para visitar Santa Catarina?

A boa notícia é que qualquer data é uma excelente oportunidade para turistar por Santa Catarina.

Independente da estação do ano, o Estado Catarinense possui roteiros de tirar o fôlego!

Então, neste post vamos mostrar um dos mais incríveis, cheio de mistérios, cultura e histórias da nossa terra.

Fortalezas em Santa Catarina são candidatas a Património Mundial

Testemunhos do histórico esforço para a ocupação, defesa e integração do território nacional, duas fortalezas de Santa Catarina integram o conjunto das 19 fortificações brasileiras candidatas a Património Mundial

As Fortalezas de Santa Cruz de Anhatomirim e de Santo Antônio de Ratones foram tombadas como Patrimônio Histórico Nacional pelo Iphan desde 1938. Com suas arquiteturas monumentais, eram parte de um sistema projetado para defender a sede da Capitania contra as investidas estrangeiras. Deste modo, Santa Cruz de Anhatomirim e Santo Antônio de Ratones foram construídas em ilhas menores ajudando a formar um triângulo de fortes que protegia a entrada da Baía Norte, completado pelo Forte de São José da Ponta Grossa, que foi construído na própria Ilha de Santa Catarina. 

As duas fortificações, que possuem a gestão e a guarda sob responsabilidade da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), são compostas por diversas edificações que serviam aos diferentes usos da logística militar.

Em visita aos fortes, os turistas se deparam com baterias de canhões em terraplenos, quartel da tropa, casa do comandante, portada, paiol da pólvora, entre outras. 

Turismo em Santa Catarina: Fortaleza de Santa Cruz, na Ilha de Anhatomirim

Turismo em Santa Catarina

A Fortaleza de Santa Cruz de Anhatomirim, localiza-se na ilha de Anhatomirim, na barra norte do canal da ilha de Santa Catarina, município de Governador Celso Ramos.

A construção foi feita entre 1739 e 1744 pelo brigadeiro José da Silva Paes, responsável também pelos projetos das fortalezas de Santo Antônio e de São José da Ponta Grossa, que formam um triângulo defensivo no Norte da Ilha. Além de fortificação, foi a primeira sede de governo da província de Santa Catarina.

Durante a Guerra do Paraguai, entre 1865 e 1870, serviu como hospital de convalescença e presídio militar. Foi, também, pátio de execução de dezenas de legalistas, fuzilados a mando do marechal Floriano Peixoto durante os combates da Revolução Federalista, em 1895. Um fato curioso é que, naquele tempo, a Ilha se chamava Desterro e chegou a ser capital federal por seis meses. Depois, ganhou o nome atual, em homenagem justamente ao presidente Floriano Peixoto.

Turismo em Santa Catarina: Fortaleza de São José da Ponta Grossa, na Praia do Forte

Turismo em SC: Fortaleza São José da Ponta Grossa

A Fortaleza de São José da Ponta Grossa localiza-se entre as praias do Forte e do Jurerê, no litoral de Santa Catarina. 

Com muros bem altos, é a partir da subida pela rampa que se pode ver o calabouço e a casa da guarda. No interior da Fortaleza de São José da Ponta Grossa é possível ver a artilharia de canhões, a igreja, o quartel da tropa, a casa do comandante, a cozinha e o paiol. O quartel da tropa mostra um interessante manequim vestido com réplica do uniforme utilizado pelos soldados no século XVIII. Igualmente atrativo é a exposição de objetos – ossos de animais e louças setecentistas – encontrados no solo da região à época da reforma, nos anos 1990.

Turismo em Santa Catarina: Fortaleza de Santo Antônio, na Ilha de Ratones Grande

Ilha de Ratones Grande

A Fortaleza de Santo Antônio de Ratones localiza-se na Ilha Ratones Grande, na baía norte da ilha de Santa Catarina.

A fortaleza foi erguida em 1740 com pedras, óleo de baleia e sangue de animais. Foi restaurada nos anos de 1990 e a evolução de sua reconstituição pode ser apreciada na exposição permanente de fotos localizada no quartel da tropa.

As fortalezas da Ilha de Santa Catarina, Santa Cruz, São José da Ponta Grossa e Santo Antônio encontram-se abertas à visitação durante todo o ano, inclusive sábados, domingos e feriados.

Portanto, são um grande convite para uma aventura e para sair da rotina! Então, venha conhecer esse roteiro histórico, acompanhado de muita diversão e uma linda paisagem!

Como Chegar?

É importante destacar que as fortalezas de Santa Cruz e Santo Antônio têm acesso somente com barcos uma vez que estão localizadas na Ilha de Anhatomirim e Ilha de Ratones Grande, respectivamente.

Portanto, para conseguir acesso às fortificações, é necessário realizar o passeio com as Escunas Pirata, que possui exclusividade neste passeio.

Escunas Pirata

Maior Porto Pirata para Turismo em Santa Catarina

O grupo Escunas Pirata é formado por 9 empresas que atuam no norte da Ilha de Florianópolis

Além do passeio histórico nas fortalezas, as Escunas Pirata são responsáveis por proporcionar as experiências mais incríveis em barcos tematizados que levam você a conhecer, através das águas, as belezas e encantos do nosso litoral. Além disso, Todas as embarcações são habilitadas pela Marinha do Brasil e seguem os melhores padrões e normas de segurança. Assim como, a Escunas Pirata está alinhada com o ICMBio, respeitando todas as normas da APA (Área de Proteção Ambiental Anhatomirim), Unidade de Conservação Marinha. Nossas embarcações contam com Condutor Ambiental, registrado no ICMBio.

A combinação da magia pirata com as histórias do século XVIII, vão te levar para uma aventura fantástica em lugares históricos e praias paradisíacas. Ou seja, uma incrível mistura de diversão e cultura, ação, suspense e comédia.

Você navega e desfruta das mais belas paisagens enquanto os piratas mais loucos forjam batalhas, promovem concursos, dança, teatro e entretenimento para toda família. 

Se você está buscando algo divertido para quebrar o gelo e sair da rotina entre familiar, de amigos, encontrou o lugar certo! 

Nossas embarcações podem ser palco de uma experiência personalizada para atender seus desejos e objetivos.

Já está planejando o seu passeio? Então, confira os nossos pacotes!

347 anos de Florianópolis!

Hoje é o grande dia da nossa cidade preferida! 347 anos de Florianópolis, nosso porto rico em cultura, belezas naturais e muitas aventuras! ⠀
.⠀
Quer saber mais sobre a cidade eleita por nossos piratas como a melhor do mundo? Confira algumas histórias retiradas do nosso baú de recordações:

Ilha do Francês: Distante cerca de 1.100 metros da costa, a “ilhota” do Francês já foi chamada de Ilha de São Francisco de Paula (padroeiro de Canasvieiras) conforme registros cartográficos.

Ao atracar na ilha, os visitantes têm acesso a um mar calmo e tranquilo, perfeito para uma pausa para relaxar. A areia chega a atingir cerca de 60 metros de extensão, com largura variando de um a oito metros.

A famosa ilha é o local perfeito para apreciar a natureza, sentir o mar calmo e, para nossos destemidos piratas, até enterrar alguns tesouros!

Fortaleza de Santa Cruz de Anhatomirim: Um Patrimônio Histórico administrado pela UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), a Fortaleza encanta todos que a visitam.​

Localizada na Ilha de Anhatomirim, foi a principal fortificação do antigo sistema defensivo da Ilha de Santa Catarina, além de ter sido a primeira sede do Governo da Capitania de Santa Catarina.

Seu projeto foi feito pelo brigadeiro José da Silva Paes em 1739. Ficou anos abandonada, sem cuidado algum, até ser restaurada nas décadas de 70 e 80 pela Universidade de Santa Catarina (UFSC), quem à administra até hoje. 

Em nossos passeios, você conhece um pouco mais das histórias da Ilha de Santa Catarina e do Brasil!​

Jurerê e Jurerê Internacional : Uma das Praias de Florianópolis em que nossos passeios oferecem vista panorâmica para a tripulação.

Com areia fina e águas claras de tons esverdeados, Jurerê fica localizada no Norte da Ilha de Santa Catarina. Com 3 km de extensão, a Praia é dividida em duas famosas partes.

Na parte esquerda fica Jurerê Internacional, totalmente planejada, com parques, bares, restaurantes e casas luxuosas. Na parte direita, a Jurerê Tradicional, com moradores mais antigos, culinárias e restaurantes típicos de Florianópolis e o Iate Clube de Santa Catarina com seu trapiche.

Canasvieiras: E para finalizar a lista, nosso porto preferido, a Praia de Canasvieiras! Uma das mais visitadas em Florianópolis, principalmente por turistas estrangeiros, Canasvieiras chegou a atingir apenas cinco metros de extensão na faixa de areia, após ser invadida pelo mar.

Em outubro de 2019, a Prefeitura de Florianópolis iniciou efetivamente o trabalho de alargamento da faixa de areia, entre Canajurê e o trapiche.

No dia 17 de janeiro de 2020, a obra foi finalmente inaugurada, surpreendendo pela grandeza e complexidade na execução. Atualmente, a nova faixa de areia chega, em alguns pontos, a 50 metros de extensão. Com o tempo, o tamanho pode ser reduzido a 35 metros, tendo ainda 30 metros a mais do que a antiga faixa de areia.

Além de incrível, a obra garante a comodidade de turistas e moradores, valorizando as belezas naturais da região.

Quer ver como ficou essa grande obra de perto? Visite Florianópolis e embarque em uma aventura incrível com a Escunas Pirata!

Conheça a nova faixa de areia em Canasvieiras!

Nem só de mar vive um bom pirata! E por falar nisso, você já visitou a nova faixa de areia na Praia de Canasvieiras?
Parece até magia, mas conseguiram trazer de volta a extensão da praia que o mar havia levado, surpreendendo até os piratas mais antigos!

Mas você sabe como foi essa “mágica”?⠀

Faixa de areia antes da obra de alargamento, com extensão de 1 à 5 metros. Foto: PMF/Divulgação.

Um das praias mais visitadas em Florianópolis, principalmente por turistas estrangeiros, Canasvieiras chegou a atingir apenas cinco metros de extensão na faixa de areia, após ser invadida pelo mar.

A redução do trecho prejudicava o tráfego de comerciantes e banhistas, além de se tornar uma ameaça aos moradores da orla devido a proximidade com o mar. Foi então que, em outubro de 2019, a Prefeitura de Florianópolis iniciou efetivamente o trabalho de alargamento da faixa de areia, entre Canajurê e o trapiche.

O serviço foi feito por dragas, máquinas que retiravam a areia do fundo do mar a quase 1 km da costa, transportavam e faziam a reposição do material na orla. De acordo com a Prefeitura, cerca de 350 mil metros cúbicos de areia foram usados durante o trabalho de alargamento.

Nova faixa de areia, atingindo até 50 metros de extensão em alguns pontos. Foto: PMF/Divulgação.


No dia 17 de janeiro de 2020, a obra foi finalmente inaugurada, surpreendendo pela grandeza e complexidade na execução. Atualmente, a nova faixa de areia chega, em alguns pontos, a 50 metros de extensão. Com o tempo, o tamanho pode ser reduzido a 35 metros, tendo ainda 30 metros a mais do que a antiga faixa de areia.

Além de incrível, a obra garante a comodidade de turistas e moradores, valorizando as belezas naturais da região. Quer ver como ficou essa grande obra de perto? Visite Canasvieiras e embarque em uma aventura incrível com a Escunas Pirata!


:computer:

:heart_eyes:

:iphone:
:computer:


Conheça os mistérios da Ilha do Francês!

Conheça os mistérios da Ilha do Francês!

Quem faz parte da nossa tripulação sabe que nossos passeios também são ricos de boas histórias!

Uma delas se passa em uma das ilhas que avistamos  durante uma pausa para o banho de mar… A conhecida Ilha do Francês!

Dizem que ela recebeu esse nome pois era propriedade de um homem misterioso que comprou a ilha inteira! Mas será verdade? Abrimos nossos velhos baús para descobrir e reunimos o que encontramos!

História da Ilha

Distante cerca de 1.100 metros da costa, a “ilhota” do Francês já foi chamada de Ilha de São Francisco de Paula (padroeiro de Canasvieiras) conforme registros cartográficos.

Ao atracar na ilha, os visitantes têm acesso a um mar calmo e tranquilo, perfeito para uma pausa para relaxar. A areia chega a atingir cerca de 60 metros de extensão, com largura variando de um a oito metros.

Afinal, quem é o francês?

Moradores da região afirmam que a praia seria particular, o que é proibido por lei. Afinal, não vemos por aí anúncios e ofertas com uma ilha inteira à venda, não é mesmo?

Apesar de supostamente particular, ela é acessível a visitantes que chegam à nado (de Canasvieiras ou Jurerê Internacional), pequenas embarcações ou até navios piratas!

Porém, a verdadeira identidade do provável “dono” da ilha é conhecida por poucos. Alguns dizem ainda que o francês teria vendido o lugar paradisíaco a um argentino, e que agora, deveria ser chamada “Ilha do Argentino”.

Histórias à parte, a famosa ilha é o local perfeito para apreciar a natureza, sentir o mar calmo e, para nossos destemidos piratas, até enterrar alguns tesouros!

Não perca a oportunidade de visitá-la pessoalmente e conhecer todos os mistérios guardados na Ilha do Francês.

Passeio pirata: confira o que levar à bordo!

Para quem nunca viajou em alto mar ou costuma ter enjoos em movimento, nossos piratas mais experientes separam dicas infalíveis para aproveitar ao máximo esse incrível passeio!

Remédio para enjoo

Se for a primeira vez que você viaja de barco ou navio, vale levar algum remédio para enjoo no passeio, previamente receitado por um médico. Ele deverá ser tomado cerca de uma hora antes do início da viagem. 


Alimentação

Evite consumir alimentos gordurosos ou de digestão mais lenta antes da viagem. Um dos pontos de parada nos passeios Full e Pocket da Escunas Pirata permitem o acesso a um restaurante, por isso cuidado para não se exceder na alimentação! 

E falando em almoço, a principal especialidade que o local oferece são pratos com frutos do mar. Aproveite e escolha peixes ou crustáceos de fácil digestão. Um suco de frutas ou água de coco para finalizar também são uma boa pedida!


Bebidas

Durante a viagem, os navios da Escunas Pirata contam com um bar completo à bordo! Mas, se você não tiver certeza sobre a sua sensibilidade em alto mar, evite as bebidas alcoólicas ou beba moderadamente. 

Caso você tenha enjoos, hidrate-se e beba bastante água, mas cuidado para não exagerar e ficar com o estômago muito cheio de líquidos.


Para levar

E para finalizar, selecionamos alguns itens sugeridos para que seu passeio seja completo:

– óculos de sol;
– protetor solar;
– chapéu ou boné;
– roupa adequada para o banho de mar;
– toalha para quando sair do mar;
– chinelos;
– bolsa, mochila, pochete ou necessaire que guarde seus itens e não atrapalhe os movimentos. Não esqueça que na Escunas Pirata não falta diversão e muita música para dançar! 
– documento de identificação, importante em qualquer passeio!
– dinheiro e cartões. Se você for do tipo que nunca anda com dinheiro em notas, é bom levar uma quantia no passeio, pois pode encontrar locais que não aceitam cartão;
– celular ou câmera com bateria recarregada, para registrar todos os momentos.

Por último e não menos importante, muita alegria e disposição! Prepare seu “kit pirata e prepare-se para viver uma aventura inesquecível! 

Pirata raiz navega sem GPS!

E você aí marujo moderno, sabe como os piratas se localizavam no mar sem GPS? Pra quem se perde até com sinalização, a tarefa pode não ser fácil! 

Por isso, reunimos algumas dicas preciosas sobre a localização pelas estrelas, bússola e até pelo nosso querido astrolábio! Não sabe o que nada disso significa? Então descubra com nossos mais experientes piratas! 


Localização por estrelas

Em dias ou noites sem nuvens, é possível saber onde estamos apenas identificando astros celestes. O sol e a lua, por exemplo, sempre nascem no lado Leste e se põem no Oeste, por conta da rotação da Terra. 

A posição dos astros também pode indicar o horário aproximado. Com o sol na posição mais alta (no Centro) é fácil saber que é meio-dia. Quando ele baixar, sentido ao horizonte, também é possível ter uma ideia do horário. Basta estender sua mão com a palma virada para dentro, com os dedos juntos. 

Coloque-se de frente para o sol e deixe seu dedo indicador na altura dele, na linha final do círculo. Abaixe sua mão até a linha do horizonte, contando a distância (quantos dedos) entre a estrela e o início do solo ou mar.

Cada dedo de distância equivale a aproximadamente 15 minutos (sem contar o polegar) e quatro dedos correspondem a cerca de uma hora. Por exemplo: se couberem oito dedos (sem o polegar) entre o sol e o horizonte, faltam aproximadamente duas horas para o anoitecer. 


Cruzeiro do Sul

Essa também é uma boa opção para se localizar à noite. No Brasil, incluindo a parte do país que está no hemisfério Norte, é possível ver quatro estrelas próximas, que formam uma cruz. Há ainda uma menor ao lado da constelação, chamada de “intrometida”.

Basicamente, a estrela da ponta (“cabeça” da cruz) indica o lado Norte. Mas, para os mais experientes, é possível identificar intervalos de dias e até mesmo o transcorrer do ano! Isso porque ela muda de posição conforme a troca de estações e faz uma volta completa em cerca de um dia.


Astrolábio 

Esse é para os piratas mais antigos! O astrolábio nos ajuda a medir distâncias entre rotas marítimas e ainda a altura dos astros acima da linha do horizonte, mas alguns usam o equipamento para até 200 funções diferentes! 

Feito de latão ou qualquer outro metal em forma de disco, tem desenhos com a representação das estrelas, latitudes e constelações. Atualmente, existem vários modelos diferentes, sendo que os mais antigos precisam de até duas pessoas para fazer a leitura da localização! 

Agora que você já conhece algumas de nossas ferramentas, aproveite e navegue sem medo com nossos melhores piratas!

Bernunça e os mistérios do Boi de Mamão

Além das bruxas, fantasmas e lobisomens que vagueiam por Florianópolis, há bois de mamão que voltam da morte e a temida Bernunça!​

Uma espécie de “dragão do mal” com uma boca gigante, que quando sai às ruas engole crianças desobedientes que encontra pela frente.​ Ela aparece durante os festejos do Boi de Mamão, um folguedo em que um vaqueiro humilde do interior da Ilha procura um médico e um curandeiro para ressuscitarem seu boi de estimação.


Enquanto o homem procura ajuda, surge um cavalinho, a Bernunça, uma cabra e a dona Maricota, com braços compridos que atingem quem estiver por perto. A Bernunça é a mais temida: com aparência de um dragão, com quase dois metros e meio, ela surge acompanhada de um filhote. 

Quem for desobediente é perseguido, engolido e transformado em uma Bernuncinha. Uma das músicas cantadas durante a apresentação diz que “a Bernunça é um bicho brabo, já engoliu mané João. Come pão, come bolacha, come tudo que lhe dão”. 

Depois que ela, o cavalo, a cabra e a dona Maricota vão embora, o vaqueiro enfim consegue ressuscitar o boi de estimação e todos festejam juntos!

Enquanto a Bernunça não volta, aproveite e conheça Florianópolis ao lado dos piratas mais corajosos! 

​Conheça os planos na nossa página inicial e faça parte de um passeio rico em cultura e histórias!

Você sabe por que Florianópolis é conhecida como a Ilha da Magia?

Você sabe por que Florianópolis é conhecida como a Ilha da Magia?

Muitos mistérios rodeiam Florianópolis, tanto que lhe deram o apelido de “Ilha da Magia”.​ Mas você sabe por que ela recebeu esse nome?

Curiosos, abrimos nossos tesouros com os livros mais antigos e reunimos algumas histórias para descobrir quais são os seres mágicos que habitam esta terra. 

Os primeiros registros são das bruxas. Diz a lenda que na Ilha de Santa Catarina, elas assustavam pescadores, roubavam barcos e escondiam suas tarrafas. Dar nós nas crinas dos cavalos também era outra especialidade que intimidava até os mais corajosos. 


Por isso, foram escritas algumas dicas para reconhecer uma bruxa: se for apresentada a alguém, ela estenderá a mão esquerda para cumprimentar. Um dos nossos livros também diz que, quando alguém chega a Florianópolis, deve pedir licença às bruxas, principalmente se pretende ficar por muito tempo. 

Há relatos de passagens das bruxas por toda a Ilha, mas o bairro Itaguaçu é o que registra mais histórias. Nele, elas teriam organizado uma grande festa, mas não convidaram o diabo. Com raiva, ele transformou todas em pedras, que estão até hoje no mar.


Existe também a história da Gruta do Monge, um homem que apareceu misteriosamente, curava doenças e ensinava receitas de remédios naturais. Um dia, ele não foi mais encontrado, ficando apenas a lembrança de quem o conheceu.

No Ratones, escondiam-se os lobisomens. Há muito tempo, contava-se a história de uma mulher que sempre era incomodada por um cachorro que latia quando ia dar banho em seu filho. Um dia, ela se irritou e expulsou o animal, que avançou e arrancou um pedaço da saia da mulher. 

No dia seguinte, ela reparou que o marido tinha passado a noite fora de casa e chegou com fiapos da cor do tecido que foi rasgado presos nos dentes. A partir desse dia, a maldição foi quebrada e o homem deixou de se transformar. 

No Ingleses e Rio Vermelho, os moradores contam que uma luz vermelha em formato de bota aparece e some misteriosamente. Ninguém sabe ao certo o que ela é ou o que faz, mas todos a evitam quando aparece. ​

Apesar de todas as histórias e lendas que habitam a região, nós, bravos guerreiros piratas, navegamos em águas misteriosas desde os tempos mais antigos e não tememos nenhum perigo!​


Venha para Florianópolis desbravar todas as aventuras e faça parte da nossa tripulação!

É dia das bruxas!

É dia das bruxas!

 Pegue sua espada e venha desbravar nossa Ilha nesse dia de muita magia.

O dia das Bruxas é conhecido, principalmente, pelas comemorações do Halloween nos Estados Unidos, mas é também uma data comemorada em vários países, inclusive no Brasil. 

Nossa cultura é rica de histórias, nosso folclore é lindo! Deve ser lembrado e passado às gerações futuras, já que nem todos conhecem os encantos dos personagens brasileiros.  

Hoje vamos falar um pouco sobre o menino de uma perna só, que corre mata à dentro, o Saci Pererê

Sempre pulando em uma perna só e de capuz vermelho na cabeça, vive na mata protegendo-a. Às vezes pregando peças, escondendo objetos, abrindo armários, ou virando copos, mas quase sempre fazendo o bem. Muitas vezes é invisível, mas quando permite ser visto, quem consegue vê-lo diz que é negro, sem pêlos pelo corpo e cabeça e que carrega consigo um cachimbo. 

O redemoinho é uma de suas obras, e muitos dizem que é possível capturá-los nessa ocasião, basta jogar uma peneira no centro do redemoinho e colocá-lo numa garrafa sem o gorro, pra que ele perca seus poderes. 

O saci pode viver 77 anos, depois de sua morte ele vira um cogumelo venenoso, ou aqueles que nascem em troncos de árvores, chamados “orelha-de-pau”

Você conhecia a lenda do Saci, Marujo? 

Qual o seu personagem favorito do folclore brasileiro? 

Deixe aqui nos comentários que falaremos sobre ele nos próximos posts. 

ILHA DO FRANCÊS – VAMOS ATRACAR NO PARAÍSO

ILHA DO FRANCÊS – VAMOS ATRACAR NO PARAÍSO

Uma das paradas das nossas embarcações é na Ilha do Francês, uma pequena e linda ilha localizada na ponta sul da Praia de Canasvieiras. 

Na sua história, em 1884 foi datado o primeiro registro de ocupação e desde então a propriedade é dada por particular. A Ilha é conhecida por muitos nomes, incluindo Ilha do Inglês e do Argentino, sempre de acordo com seus donos. 

Depois de 1938 a Ilha pertenceu a Antônio Muniz Barreto, um argentino que amava orquídeas e era apaixonado pelo lugar. Ele trouxe flores raras e importadas para aumentar ainda mais a beleza do orquidário que já existia na Ilha.

Sua paixão pela Ilha era intensa. Dizem, os empregados da família, que ele queria morrer e ser enterrado nela, mas quando ficou doente os filhos não o trouxeram mais. Porém, quando adoeceu os filhos realizaram seu último deseja e o trouxeram para visitar o seu lugar especial. Empregados contam que António chorava de tanta emoção. Sua vontade de ser enterrado na Ilha não pode ser realizada, mas a linda e encantadora Ilha ainda pertence à família dos Barretos. 

foto: vivendofloripa.com.br

Você já foi à Ilha do Francês, Marujo? 

Que tal atracar lá com nossa tripulação? 

Te esperamos para zarpar!